E.B.D.





Vencer a Depressão


Você pode vencer a depressão! Deus quer restaurar sua vida, trazendo a alegria que parece perdida para sempre. Ele pode  fazer um milagre em sua vida. Creia em Deus e deixe que ele mude sua vida.
Vencer a depressão pode levar muito tempo. Por isso, não desista! A luta não vai durar para sempre. E Deus está com você o caminho todo.
Você pode mudar seus pensamentos. Comece pensando em coisas boas, agradecendo a Deus por elas. Sempre que você se sente triste ou desesperado, declare a verdade que Deus tem esperança e alegria para você. Rejeite as mentiras do diabo. E não se isole! Faça o esforço, procure a companhia de amigos e vá regularmente à igreja. Deus usa outras pessoas para lhe animar.

Depressão na Bíblia

O próprio Senhor irá à sua frente e estará com você; ele nunca o deixará, nunca o abandonará. Não tenha medo! Não desanime!" 
Deuteronômio 31:8
Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados. 
Mateus 5:4
Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. 
Romanos 12:2
Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas. 
Filipenses 4:8
Por que você está assim tão triste, ó minha alma?
Por que está assim tão perturbada dentro de mim?
Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei;
ele é o meu Salvador e o meu Deus.
 
Salmos 42:11

4 soluções da Bíblia para controlar a ANSIEDADE
A ansiedade parece ser um dos grandes problemas da sociedade atual. Ter um pouco de ansiedade é natural e ajuda a identificar situações perigosas. Mas viver sempre ansioso é um problema sério, que precisa ser combatido.
Se você ama Jesus, sua ansiedade tem solução! A promessa da vida eterna muda muito a perspetiva sobre os problemas terrenos. A Bíblia também dá vários conselhos práticos para controlar a ansiedade no dia a dia:
1. Ore
Fl 4:6- Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.
Você não precisa lutar sozinho! Quando você sente a ansiedade apertando o coração, ore a Deus. Ele tem a paz que você precisa. Conte para Deus o que você está sentindo e peça sua ajuda. Deus ouve!
2. Dê a ansiedade para Deus
1Pe 5:7 -Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.
Não deixe que a ansiedade lhe esmague. Pegue na ansiedade e dê para Deus. Ele é mais forte que você e consegue carregar seus problemas. Sempre que a ansiedade aparecer, escolha dar o fardo para Deus (e não aceite de volta).
3. Confie em Deus

Sl 56:3 -Em qualquer tempo em que eu temer, confiarei em ti
Muita ansiedade vem porque sentimos que tudo depende de nós e ninguém vai nos ajudar. Mas, se você ama Jesus, ele está com você. Confie nele! Jesus é maior que todos os seus problemas e, com ele, você não precisa ter medo do futuro. Ele vai cuidar de você. Lembre-se disso na ansiedade.
4. Procure encorajamento

Pv 12:25-A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra.
Não se isole! Muitas vezes, Deus usa outras pessoas para lhe ajudar. Procure pessoas bondosas com palavras de encorajamento. Deixe que seus pensamentos sejam influenciados por palavras animadoras. Conviver com pessoas positivas ajuda a controlar a ansiedade. Unidos somos + fortes.


É normal sentir desejo de morrer? 

O que fazer?

Sentir desejo de morrer é comum mas não é normal. Se você sente desejo de morrer, é sinal que você precisa de ajuda. Deus pode lhe libertar da vontade de morrer. Ainda há esperança nessa vida.
Na verdade, você quer uma solução. A vontade de morrer nasce principalmente do desespero, em situações que parecem não ter saída nem solução. Parece que a tristeza e o sofrimento nunca vão passar. A Bíblia diz que a morte não é a única saída. Deus tem uma solução  para você. Jesus veio para lhe dar vida! Sua vida é preciosa para Deus e Ele tem muitas coisas boas preparadas para você (Jer 29:11).
Com Deus você pode ser honesto. Vários homens de Deus sentiram desejo de morrer, como Jó, Elias e Jeremias. Eles foram honestos e contaram seus problemas a Deus. Confiaram em Deus e Ele os ajudou. Deus não lhe vai abandonar. Mesmo quando você não sente, Ele está com você (Isaías 41:10).

Como se libertar do desejo de morrer (entenda o valor de sua vida)

A Bíblia diz que a vida humana é sagrada e deve ser protegida. Você é uma pessoa única, com um valor impossível de calcular! Deus criou você cheio de potencial. Você é muito amado. Jesus veio para lhe dar vida e esperança! O grande plano de Deus para você começa já, nessa vida.
Você não está sozinho. Jesus entende o que você está passando. Jesus também sofreu e quer lhe consolar. Se você aceitou Jesus como seu salvador, ele nunca lhe vai abandonar.(Rom 8:38-39).

Entenda de onde vem o desejo de morrer

Querer morrer não é natural. Deus criou em nós o desejo de viver para sempre (Ecl 3:11). Jesus veio para derrotar a morte, através da ressurreição. A esperança do crente não está na morte mas na vida depois da morte. A morte é um inconveniente, mesmo para o crente.
Morrer é um ato de destruição. O destruidor é o diabo, que quer acabar com sua vida (Jo 10:10). O diabo também é enganador. A morte pode parecer a solução mas isso é uma mentira. Nada é impossível para Deus, Ele tem outra saída.
Vá ao médico. Você pode estar com algum problema físico ou com depressão. Seu corpo e seus pensamentos estão ligados. Se você tratar de sua saúde, isso vai diminuir o desejo de morrer.

Peça ajuda – Ore a Deus

Pedindo por esperança e vontade de viver. Confie nele e Ele vai restaurar sua alegria de viver (Sl 51:12).
Não se isole. Pode não parecer mas há pessoas prontas para serem suas amigas e lhe ajudar. Procure uma igreja, se envolva nas atividades e encontre um pastor ou um líder com quem você pode conversar. Deus não criou você para estar sozinho (Gn 2:18). Se você está passando por uma depressão, procure ajuda profissional. Há muitos bons psicólogos e centros de ajuda que lhe podem ajudar.

Mude seus pensamentos

Você pode mudar seus pensamentos! Rejeite o desejo de morrer (Rm 12:2). Sempre que vem o desejo de morrer, declare com sua boca que você rejeita esse pensamento e rejeite também toda a influência do diabo. Declare no nome de Jesus até que seja completamente liberto. Creia também nessas verdades:
·         Eu quero viver – você não vai desistir; você vai vencer
·         A dificuldade vai passar – tudo passa, mesmo essa dificuldade terrível; a alegria vai voltar
·         Há uma esperança – você pode não ver a solução nesse momento mas Deus vai agir em sua vida

3 conselhos da Bíblia para vencer a SOLIDÃO
Solidão. O sentimento de estar completamente sozinho, sem ninguém que entende, mesmo em meio a uma multidão. Como combater esse grande vazio? A Bíblia tem a solução. A solidão pode ser vencida!
1. Você não está sozinho
Sl 73 ;23 -Todavia estou de contínuo contigo; tu me sustentaste pela minha mão direita.
Se você aceitou Jesus como salvador, se arrependendo de seus pecados, ele está sempre com você. Não tenha medo! Jesus lhe entende e nunca lhe vai abandonar. Jesus tem poder para preencher o vazio em seu coração.
2. Não se isole!
Ecl 4 ;9 -Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.
Deus tem boas amizades preparadas para você! Mas você precisa fazer sua parte. Saia de casa, faça o esforço e invista nas amizades. Vá para a igreja e procure conhecer as pessoas lá. Amigo verdadeiro existe, você somente precisa procurar.
3. Não tenha medo do silêncio
Fil 4:7 -E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.
Deus quer que você cuide de sua saúde mental
A Bíblia diz que temos corpo, alma e espírito. Cuidamos de nosso corpo e de nosso espírito mas como cuidamos de nossa alma? Nossa mente faz parte da alma e também pode ficar doente, mesmo se somos crentes. Quando isso acontece, precisamos de um médico. Sem descontar a ajuda profissional, podemos encontrar muita ajuda para nossa saúde mental na Bíblia.:
  

CONCLUSÃO
Portanto, não se preocupem, dizendo: 'Que vamos comer?' ou 'Que vamos beber?' ou 'Que vamos vestir?' Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal. 
Mateus 6:31-34
Mas eu, quando estiver com medo, confiarei em ti. 
Salmos 56:3
Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida? 
Mateus 6:27
"Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu darei descanso a vocês. Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve". 
Mateus 11:28-30




Por Diácono Clóvis Ventura
E.B.D.  10/09/2017 



-----------------------------------------------------





Banner_SITE

Celebrado no segundo domingo de dezembro, o Dia da Bíblia foi criado em 1549, na Grã-Bretanha pelo Bispo Cranmer, que incluiu a data no livro de orações do Rei Eduardo VI. O Dia da Bíblia é um dia especial, e foi criado para que a população intercedesse em favor da leitura da Bíblia. No Brasil a data começou a ser celebrada em 1850, quando chegaram da Europa e EUA os primeiros missionários cristãos evangélicos. Porém, a primeira manifestação pública aconteceu quando foi fundada a Sociedade Bíblica do Brasil, em 1948, no Monumento do Ipiranga, em São Paulo (SP).

E, graças ao trabalho de divulgação das Escrituras Sagradas, desempenhado pela entidade, o Dia da Bíblia passou a ser

comemorado não só no segundo domingo de dezembro, mas também ao longo de toda a semana que antecede a data. Desde dezembro de 2001, essa comemoração tão especial passou a integrar o calendário oficial do país, graças à Lei Federal 10.335, que instituiu a celebração do Dia da Bíblia em todo o território nacional.

Hoje, as celebrações se intensificaram e diversificaram. Realização de cultos, carreatas, shows, maratonas de leitura bíblica, exposições bíblicas, construção de monumentos à Bíblia e distribuição maciça de Escrituras são algumas das formas que os cristãos encontraram de agradecer a Deus por esse alimento para a vida.


Semeando a Palavra que transforma vidas.




-------------------------------------------------







Ser professor é...
Ser professor é professar a fé
e a certeza de que tudo terá valido a pena
se o aluno se sentir feliz pelo que aprendeu
com você e pelo que ele lhe ensinou...

Ser professor é consumir horas e horas
pensando em cada detalhe daquela aula,
que mesmo ocorrendo todos os dias,
é sempre única e original...

Ser professor é entrar cansado numa
sala de aula e, diante da reação da turma,
transformar o cansaço numa aventura
maravilhosa de ensinar e aprender...

Ser professor é importar-se com o outro
numa dimensão de quem cultiva
uma planta muito rara que necessita
de atenção, amor e cuidado.

Ser professor é ter a capacidade de
"sair de cena, sem sair do espetáculo".
Ser professor é apontar caminhos,
mas deixar que o aluno caminhe
com seus próprios pés...



Feliz dia dos Professores!

--------------------------------------------------



Resultado de imagem para biblia

Qual é o propósito da Bíblia?

O fator mais importante, que classifica a Bíblia como o livro mais singular, é a influência que ela tem sobre a vida dos homens. Embora a Bíblia seja um grande tesouro com respeito à sua contribuição para a humanidade em literatura, filosofia e história, o maior valor deste livro se encontra na grande influência que exerce sobre as pessoas. Através de suas páginas o homem se vê exposto quanto à sua verdadeira condição diante de Deus, a palavra de Deus é como uma espada que penetra até os pensamentos e propósitos do homem e o convence de seus pecados diante de Deus.
Hebreus 4:12 "Porque a palavra de  Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração."
Santo Agostinho era um homem indisciplinado e libertino em sua juventude, porém sua mãe orava por ele enquanto ele crescia. Depois de levar uma vida dissoluta por muitos anos, certo dia, com trinta e um anos de idade, lendo a Bíblia debaixo de uma figueira, chegou num trecho que diz "Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências." (Rm 13:13-14) . Essas palavras o convenceram dos seus pecados e ele se arrependeu diante do Senhor e se tornou um servo de Cristo.  A ele se deveu a criação de uma filosofia que, pela primeira vez, deu suporte racional ao cristianismo. Com o pensamento de Santo Agostinho, a crença ganhou substância doutrinária para orientar a educação.

No curso da história, muitas pessoas famosas foram movidas a crer em Cristo e ler a Bíblia. O imperador francês Napoleão, após ter sido derrotado e exilado na ilha de Santa Helena, confessou que embora ele e outros grandes líderes tivessem fundado seus impérios através da força, Jesus Cristo edificou Seu reino com amor, Ele também confessou que embora pudesse reunir seus homens em torno dele em prol de sua própria causa, ele teria de fazê-lo falando-lhes face a face, enquanto que, por dezoito séculos, incontáveis homens e mulheres se dispuseram a sacrificar, com alegria, a própria vida por amor a Jesus Cristo, sem tê-lo visto sequer uma vez.

A razão pela qual muitos se dispuseram a deixar tudo para seguir a Cristo e ser martirizados por causa Dele é que eles O viram revelado na Bíblia. A Bíblia tem sido a fonte de inspiração para que muitos creiam em Cristo. Embora muitos reis, imperadores e governos tenham  tentado, nos últimos dois mil anos, erradicar a Bíblia, começando pelos imperadores romanos do primeiro século até os governos ateus deste século, nenhum poder sobre a terra tem conseguido anular a atração do homem por esse livro e pela pessoa maravilhosa que ele revela. O Cristo revelado na Bíblia continua hoje tão vivo como há dois mil anos. Nenhuma biografia de homem sobre a terra tem transformado tantas vidas como a vida de Jesus Cristo.

*   Abraham Lincoln 16º presidente dos Estados Unidos: "Creio que a Bíblia é o melhor presente que Deus já deu ao homem. Todo o bem, da parte do Salvador do mundo, nos é transmitido mediante este livro."

*   George Washington 1º presidente dos Estados Unidos: "Impossível é governar bem o mundo sem Deus e sem a Bíblia."

*   Napoleão líder politico e militar francês: "A Bíblia não é um simples livro, senão uma Criatura Vivente, dotada de uma força que vence a quantos se lhe opõem."

*   Isaac Newton cientista inglês: "Há mais indícios seguros de autenticidade na Bíblia do que em qualquer história profana."

Durante os anos que sirvo a Deus Ele tem me ensinado que a palavra:

Emociona, revoluciona, impulsiona, impressiona, direciona, funciona, educa, ensina, fascina, conserva, preserva, santifica, purifica, edifica, qualifica, dignifica, robustece, enriquece, acontece, fornece, permanece, envolve, resolve, move, comove, converte, reverte, manda, encanta, quebranta, levanta, vê, prevê, prove, regenera, supera, libera, impera, forma, transforma, reforma, renova, luz , conduz, introduz, reluz, viva, santa, vida, pura, energia, profecia, sabedoria, unção, revelação, riqueza, fortaleza, ouro, tesouro, alimento, mantimento, suprimento, pão, água, azeite, leite, maná, manjar, mel, fiel, ceia, lâmpada, buzina, trombeta, bandeira, credencial, distintivo de campeão, ressuscita, salva, cura, liberta, encaminha, endireita, perdoa, é arma, armamento, equipamento, escudo, espada, sandália, capacete, broquel, cinturão, fogo, esconde, revela, fecha, abre, dá, multiplica, surpreende, ataca, contra ataca, defende, torpedo que destrói ciladas dos demônios, poder.

II Tim. 3:14 ao 17


Culto E.B.D. IEAB Arapuá 17/09/2016

Pb Anderson 


-------------------------------------------------------



Como atrair a atenção de Deus?









Curiosidades: 






Deus pode te usar


Nomes de Deus e seus significados


BIBLIOGRAFIAS: 








PERGUNTAS E RESPOSTAS BÍBLICAS


Quem foi o primeiro dizimista?

Qual o homem que depois de morto matou mais pessoas que em sua visa?

O que Deus não conhece?

De acordo com a Bíblia, até quantos anos é normal viver?

O que é impossível para Deus?

Para onde vão os homens e os animais quando morrem?

Jonas orou do ventre do peixe e fez qual promessa a Deus?

Qual dos profetas andou nu e descalço por 3 anos?

Quem ficou mudo após falar com um anjo?

Quantos andares tinha a arca de Noé?

Das pessoas que saíram do Egito, quantas entraram na Terra Prometida?

Quem escreveu a Epístola de Paulo aos Romanos?

Quantos anos Isaque tinha quando casou com Rebeca?

Qual foi o erro de Acã?

Por que Abrão foi do Neguebe para o Egito?

Os Filisteus eram descendentes de qual filho de Noé?

No que o povo estava roubando a Deus?

No batismo o que simboliza imersão nas águas? E o retorno das águas?

Que característica diferenciava a serpente dos demais animais?

Quais os 3 personagens bíblicos Deus usou para mostrar ao povo que nem a presença deles os 
salvaria?

Em seu testemunho diante dos homens, qual foi u ultimo pedido de Estevam à Deus?

Na criação, ao separar as águas, o que Deus colocou entre Elas?

Deus deixou de destruir Nínive, quantas pessoas foram salvas?

O que nem a prata, nem o ouro poderão fazer pelo povo?

A que animal Deus comparou o Faraó?

Qual o Rei que teve suas unhas crescidas como as das aves?

Quem foi sepultado por Deus em um vale?

Quem queimou uma víbora viva?

Os Filisteus eram descendentes de qual filho de Noé?






--------------------------------------



MATURIDADE- O VALOR DO APRENDIZADO          
25/10/2015

A Educação Cristã é um Ministério, um meio de servir a outros. O foco do ministério educacional é servir ao corpo de Cristo por meio do ensino.
Definida de maneira simples, é o ministério de levar o crente à maturidade em Jesus Cristo. Essa definição também sugere que o propósito do APRENDIZADO é levar crentes à maturidade espiritual.

A Bíblia usa uma variedade de termos e metáforas para descrever maturidade espiritual, tais como: PROVADO (2 Cor. 9.13), MADURO (Ef. 4.13), SANTO (Ts 4.3) e COMPLETO (Tg 1.4).
Metáforas como: Cristo habitando nos crentes (Ef.3 .17), permanecendo em Cristo (Jo 15.5), e crentes andando como Jesus andou (1 Jo 2.6) também descrevem o conceito de maturidade.

Educar para maturidade espiritual significa educar para a fé. A fé é mais que uma esperança superficial que não tem substância. A noção popular de fé está longe do ensino bíblico segundo o qual a verdadeira fé tem como seu objetivo o Deus vivo e sua Palavra revelada nas Escrituras.

Antes de lançarmos um olhar sobre a prática pedagógica de Jesus, quero chamar a atenção para uma pergunta de suma importância: Para cada um de nós, o que é, de fato, ensinar?

Necessário é, que para haver ensino eficiente, é indispensável que o professor seja uma pessoa transformada. Se quisermos promover transformações em outros, temos que experimentá-las primeiro em nós.
Temos que estar sempre crescendo, sempre em transformação. A Palavra de Deus, certamente não muda, mas nossa compreensão em relação a ela sim, porque estamos em constante crescimento.
A  ideia implícita nessa lei é a de que, antes de ser professor, sou um aprendiz, um “estudante” ensinando estudantes.
Crescer em Cristo, pressupõe crescer em graça, conhecimento e sabedoria!
Sendo assim, também devemos buscar as almas que estão atrofiando e até morrendo por falta de conhecimento. E esta função não é apenas do Professor de Escola Bíblica, mas, de todo crente. Precisamos olhar para o outro com o olhar de Cristo, enxergando não apenas mais um, e sim uma pessoa pela qual o Senhor Jesus deu a vida!

LUCAS 6-40: Não é o discípulo mais do que o seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre.

“Ninguém consegue ser um bom comunicador a partir de um arquivo intelectual vazio. Não podemos passar a outros aquilo que não possuímos.”
Portanto, o principal passo a ser dado, é, questionar a si mesmo, quanto ao seu grau de conhecimento e comprometimento com a VERDADE BÍBLICA.

Jesus, o menino continuava a  crescer em sabedoria e em estatura, e em graça para com Deus e os homens (Lc. 2.52).
Aos 12 (Doze)anos, já se assentava no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os (Lc 2.46,47)

Ao lidarmos com a Pedagogia transformadora, falamos de uma pedagogia comprometida com a transformação integral das pessoas. Referimo-nos a uma prática pedagógica que alcança o SABER, o FAZER e o RELACIONAR-SE do indivíduo.

Todas as ações de Cristo, TINHAM E TÊM   motivos bem definidos.
Abordaremos vários aspectos da PEDAGIGIA TRANFORMADORA, partindo da ação de ir em busca do aluno, até chegarmos ao entendimento de seu caráter essencialmente transformador.

SENDO ASSIM

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA BUSCA
“e Jesus, andando junto ao mar da Galileia”. (Mt 4.18ª)

Suas ações não eram e não são por acaso, havia uma intenção. Jesus caminhava ao encontro de seus alunos!

QUEM AMA BUSCA!!!

O Professor da EBD tem uma chamada específica diante de Deus: SER UM AUXILIADOR NA CAMINHADA CRISTÃ DOS SEUS ALUNOS.
Vou ilustrar esse conceito, usando duas parábolas de Jesus sobre a necessidade de buscar o perdido, devidamente adaptadas ao contexto da educação cristã:

A PARÁBOLA DO ALUNO-OVELHA PERDIDO

ENTÃO LHES PROPÔS JESUS ESTA PARÁBOLA:

QUAL DENTRE VÓS É O PROFESSOR DE EBD QUE, POSSUINDO CEM ALUNOS E PERDENDO UM DELES, NÃO DEIXA NA SALA AS NOVENTA E NOVE E VAI EM BUSCA DO QUE SE PERDEU, ATÉ ENCONTRÁ-LO?
ACHANDO-O, PÕE-NO SOBRE OS OMBROS, CHEIO DE JÚBILO. E, INDO PARA A IGREJA REÚNE A DIREÇÃO DA ESCOLA, OS DEMAIS PROFESSORES E OS ALUNOS DAS OUTRAS CLASSES, DIZENDO-LHES:
ALEGRAI-VOS COMIGO, PORQUE JÁ ACHEI O MEU ALUNO PERDIDO.
DIGO-VOS QUE, ASSIM HAVERÁ MAIOR JÚBILO NO CÉU POR UM ALUNO QUE SE ARREPENDE DO QUE POR NOVENTA E NOVE ALUNOS QUE NÃO NECESSITAM DE ARREPENDIMENTO   (LUCAS 15.3-7, TEXTO ADAPTADO).

Vivemos tempos em que milhares de alunos de EBDs continuam se perdendo. Precisamos tomar a iniciativa de procurá-los.


A PARÁBOLA DA ALUNA-DRACMA PERDIDA

OU QUAL É O PROFESSOR QUE, TENDO DEZ ALUNAS, SE PERDER UMA, NÃO ACENDE A CANDEIA, VARRA A SALA E A PROCURA DILIGENTEMENTE ATÉ ENCONTRÁ-LA?
E, TENDO-A ACHADO, REUNE AS AMIGAS, PROFESSORAS E SALAS VIZINHAS, DIZENDO: ALEGRAI-VOS COMIGO, PORQUE ACHEI A ALUNA-DRACMA QUE EU TINHA PERDIDO
EU VOS AFIRMO QUE, DE IGUAL MODO, HÁ JÚBILO DIANTE DOS ANJOS DE DEUS POR UM PECADOR QUE SE ARREPENDE   (LC. 15.8-10, TEXTO ADAPTADO)

Assim como a aluna-dracma da parábola, há milhares de alunos perdidos em nossas salas de EBDs, aguardando passivamente que alguém os procure com diligência, os tome nas mãos e reintegre-os com graça e amor ao grupo.

OUTRO ASPECTO:

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA É VISIONÁRIA
“[...] Viu dois irmãos, Simão, chamado Pedro e André, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores (Mt 4.18b)

Além de buscar, quem ama não faz distinção entre os seus amados. Simplesmente ama.
É necessário estarmos bem inteirados das características gerais, da faixa etária deles, das suas dificuldades e problemas, além de buscarmos um conhecimento individual.
Quantas vezes alunos são rotulados.
Impingir-lhes marcas, poderão causar graves consequências.
Gostaria de desafiar os professores a orarem por seus alunos!

Jesus escolheu a Pedro. Este, aos olhos humanos, não era um dos melhores alunos para ter em sala. Cristo, porém, enxergou uma alma necessitada de um mestre, de alguém que o ensinasse a alcançar a salvação.
Precisamos ter a visão de Jesus!
Ao olhar para Pedro (pedra bruta), Jesus teve a visão futurista de uma pedra lapidada, pronta para ser trabalhada e usada por Deus.
Quando Jesus declara, em Mateus 4.19“Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens”, idealiza um futuro para os seus alunos.
Jesus tem um objetivo, sabe o que está fazendo, sabe para que foi chamado, e porque está ensinando. Para Ele, não é uma perda de tempo estar ali, mas, uma missão! Precisamos deixar de olhar as realidades dos alunos para focarmos em suas potencialidades, e enxergá-los com os olhos do Espírito Santo.

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA É ATRATIVA
 “Então, eles, deixando logo as redes, seguiram-no” (Mt 4.20b)

O QUE É NECESSÁRIO PARA QUE CRISTÃOS DESEJEM FREQUENTAR A EBD?

Dentre muitas respostas que poderíamos dar, diríamos: é certo que para enchermos uma classe de EBD, é necessário amar os alunos. Ao falarmos em AMOR, usamos como referência, a Bíblia, pois, a qualidade desse amor é muito superior a conceitos já estabelecidos.
Aprendemos que “crença em” vai além do aspecto intelectual e apela para uma crença que acarreta um compromisso emocional.

O crente maduro terá um coração que ama a Deus, deleita-se em conhecê-Lo e deseja agradá-Lo de todas as maneiras.

O maior de todos os mandamentos é que amemos o Senhor nosso Deus com todo o nosso coração e com toda a nossa alma e com toda a nossa força (Dt 6.5)
O amor a que me refiro, deriva do termo grego AGAPE, utilizado para descrever o amor de Deus, que busca sempre o bem maior para todos, sem discriminação alguma. È o amor que se importa com todos.

O AMOR NA PERSPECTIVA BÍBLICA E CRISTÃ, PRECISA SER ENTENDIDO COMO ALGO QUE EXTRAPOLA EMOÇÕES E SENTIMENTOS. AMOR É AÇÃO. AMOR É ATITUDE EM RELAÇÃO A DEUS, A SI MESMO E AO PRÓXIMO.

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA É INSTRUTIVA
“Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos; e abrindo a boca, os ensinava dizendo” (Mt 5.1-2)

Embora a afetividade e o bom relacionamento entre  o professor e o aluno sejam vitais no processo ensino-aprendizagem, não isentam o professor de buscar a excelência do ensino.
O educador cristão não é mero “leitor de revista”.
Normalmente todas as pessoas que ocupam posição de liderança são aqueles que leem muito. Contudo, se lermos por meia hora, devemos meditar outra meia hora. ISSO MUDA TUDO. Quem não medita no que lê, não sabe ler de forma correta.

Em 2 TIMÓTEO 2.2 Paulo nos ensina uma verdade. O que ele diz a Timóteo é o seguinte:
“Eu lhe transmiti um conjunto de verdades que recebi por revelação e que introduzi em sua vida. Agora estou encarregando-o de passa-las à pessoas idôneas, instruindo-as de tal maneira que também elas sejam capazes de instruir outros, que por sua vez instruirão outros, que instruirão outros!”

O PROFESSOR DA EBD NÃO PODE SER UM AVENTUREIRO. O estudo bíblico particular é essencial para desempenharmos nosso ministério de forma eficiente, pois trata-se de um MINISTÉRIO DE  MULTIPLICAÇÃO. Cada vez que instruímos alguém, iniciamos um processo que não se interromperá, que passará de uma geração a outra.
Lecionar na EBD, exige pesquisa. Essa pesquisa deve ser comparada à prática do garimpeiro, que objetiva a descoberta de preciosidades. O conhecimento, é de grande valor e, consequentemente, a pesquisa é uma fonte de conhecimento, pois envolve a leitura.

NÃO DÁ PARA SER PROFESSOR SEM SER PESQUISADOR.

E pesquisar requer:
Dedicação; determinação e paciência; tempo e disciplina;organização; criticidade e capacidade de sintetizar informações e conhecimento
O ENSINO É UMA PRÁTICA DE QUEM SABE AONDE QUER CHEGAR!

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA É INCLUSIVA
“Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.”  (Mt 11.20-28)

EBD existe em função do aluno. É nela que ele se apropria de conhecimentos, desenvolve habilidades, adquire competências e aperfeiçoa o caráter. Como espaço inclusivo, deve ter como objetivo principal; o sucesso e o crescimento integral de todos os alunos, sem exceção.
Os portadores de NECESSIDADES ESPECIAIS, os ENFERMOS, os que, TEMPORARIAMENTE estão com dificuldade de LOCOMOÇÃO FÍSICA, os que TRABALHAM ou ESTUDAM no horário da EBD, os IDOSOS que não tiveram chance de estudar e se envergonham por serem analfabetos, são alguns dos exemplos dos excluídos das EBDsÉ necessário se criar classes inclusivas.
. É claro que, diante da escassez de recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros na grande maioria de nossas EBDs, é preciso ter paciência e dar pequenos passos para o alcance do grande objetivo. Mas, ter como meta, o alcance dessas e outras pessoas impedidas de irem às EBDs, é de vital importância, pois, e na EBD Inclusiva que todos os excluídos serão beneficiados. Todos que, por qualquer motivo estão privados do acesso ao ensino bíblico.
O EVANGELHO DE CRISTO É INCLUSIVO!!!

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA PROMOVE VIDA ABUNDANTE
O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.  (João 10:10)

 Uma vida espiritual em níveis elevados, implica em saber sobre Deus abundantemente e relacionar-se com ele abundantemente.
“CONHECER”, em termos bíblicos, pode ser algo mais do que um simples conhecimento sensitivo ou intelectual. 
Pode significar:
CONHECER DE MODO PESSOAL; UM RELACIONAMENTO DE CONFIANÇA, DE AMIZADE DE INTIMIDADE, ENTRE AS PESSOAS.

DAVI ADMITIA TER ATINGIDO UM GRAU DE MATURAÇÃO MAIS ELEVADO QUE OS SEUS PRÓPRIOS PROFESSORES. ESSA SUPERIORIDADE DE ESPÍRITO LHE FOI CONFERIDA GRAÇAS A UMA INCESSANTE MEDITAÇÃO NOS PRECEITOS DO SENHOR.

(SL 119.99)  “Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, pois medito nos teus estatutos”

 VOCE QUER SABER O QUE É ENSINAR ALGUÉM E ELEVA-LO À CONDIÇÃO DE MADURO?

É PODE OUVIR A VOZ DE DEUS MESMO EM MEIO AO BARULHO E A CONFUSÃO DO PRESENTE SÉCULO. A EXPERIÊNCIA DE UMA VIDA BEM AJUSTADA COM CRISTO  COMPREENDE A FACULDADE DE VER, OUVIR ENTENDER E REAGIR ADEQUADAMENTE ÀS REALIDADES ESPIRITUAIS.

Gerações inteiras podem, através do conhecimento de Deus, desfrutar da fidelidade, do companheirismo e da proteção do Senhor, como também privar-se dessas benesses, caso não sejam instruídos.
Quando conhecemos realmente a Deus, e por Ele somos conhecidos, uma relação pessoal, de amizade íntima, aberta e estável deve estar em evidência nas nossas vidas. Dessa forma, como professores da EBD, poderemos influenciar positivamente os nossos alunos para buscarem e experimentarem uma dimensão mais íntima e profunda com Deus.

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA É LIBERTADORA
“E CONHECEREIS A VERDADE, E A VERDADE VOS LIBERTARÁ” (Jo8.32)

As palavras de Jesus carregam em si princípios que devem nortear o pensamento e a ação de educadores verdadeiramente comprometidos com os reais objetivos da educação.
Jesus passou a maior parte do seu ministério ensinando. O título pelo qual é mais chamado nos evangelhos é “MESTRE”.
Seus métodos de ensino, Seu estilo, Sua relação com os aprendizes (discípulos), Seus diálogos, Sua clareza, humildade, afetividade são até hoje REFERENCIAS PEDAGÓGICAS. Jesus foi acima de tudo um EDUCADOR.

Seu ensino não apenas explicava, mas denunciava; não apenas denunciava, mas conscientizava; não apenas conscientizava, mas libertava!

A libertação que o poder do aprendizado, através da maturidade cristã promove, vai além das esferas política e religiosa, atinge também as dimensões do sobrenatural. ELA LIBERTA O CATIVO DO PECADO.
Há, porém, entraves responsáveis por nossa lentidão espiritual, e talvez, o maior deles,
É a relutância em se buscar “as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus” (Col. 3.1)

Maturidade não se alcança da noite para o dia, não existe mágica capaz de nos transformar de anões espirituais, em gigantes da fé. Crescer e amadurecer implica em esforço. Há um processo gradativo para se chegar à presença de Deus. Isto exige determinação. Temos de persegui-lo até conquistar o direito de posse. Cada passo que dermos neste território, traremos conosco nova oportunidade de ascendência espiritual.
Quando lemos (Mateus 5.6), descobrimos o segredo do gigantismo espiritual: Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos”.

JESUS REVELOU QUE O SEGREDO DO CRESCIMENTO ESPIRITUAL:  ESTÁ NO APETITE VORAZ PELA PALAVRA DE DEUS.

Os que satisfazem esse apetite, alimentam-se da Palavra, e assim podem usufruir da real maturidade espiritual.
Jesus continua sendo o principal exemplo de um professor eficaz.
A comunhão com o DOADOR da vida é a única prova conclusiva do nosso desenvolvimento. Esta luz só será conservada quando aceitamos os novos desafios propostos pelo Espírito Santo.
Pois, neste combate não há aposentadoria por tempo de serviço. Não podemos relacionar maturidade com idade cronológica, nem tampouco com a soma dos anos que nos dedicamos ao  ministério.

Eliú, amigo de Jó, certa feita citou o seguinte:
“Na verdade há um espírito no homem, e a inspiração do Todo-poderoso os faz entendidos” (Jó 32.8)
Há homens na Bíblia que nunca desistiram de alcançar as bênçãos de Deus, pois conheciam as suas promessas. Foram personagens que RECEBERAM DOS SEUS MESTRES, ENSINAMENTOS DE FÉ E OUSADIA.

Calebe era um exemplo:

CALEJADO GUERREIRO DIRIGIU-SE A SEU COMPANHEIRO JOSUÉ E CONFESSOU: “...eis que hoje tenho já oitenta e cinco anos; E ainda hoje estou tão forte como no dia em que Moisés me enviou; qual era a minha força então, tal é agora a minha força, tanto para a guerra como para sair e entrar”.
Calebe é a imagem fiel do cristão emancipado. Avança a despeito da idade. Aceita novas e ousadas metas.

A PEDAGIGIA TRANSFORMADO DISCIPLINA
Instrui a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. (Pv. 22:6)

Disciplinar, envolve promover uma tomada de consciência nos alunos sobre a necessidade de submeterem-se à autoridade, às regras, ou a um modo de fazer as coisas, com a finalidade única de alcançar a MATURIDADE ESPIRITUAL.

A PEDAGOGIA TRANSFORMADORA É INTEGRAL
Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. (2 Coríntios 5:17)

O ensino da Palavra de Deus não tem apenas o objetivo de transmitir saberes, mas promover o conhecimento que transforma vidas.
O professor da EBD, precisa ter Jesus como referência. Alcançar os alunos através do ensino da Palavra de Deus com qualidade, graça e profundidade, possibilitará o encontro desses alunos com Jesus, e o contínuo crescimento na sua graça e conhecimento. É preciso mais que saber de Jesus. É preciso estar nele, fazer-lhe a vontade e adorá-lo em novidade de vida!
A pedagogia de Cristo mudará nossa maneira de se relacionar em família, na comunidade cristã e na sociedade, construindo relacionamentos mais sólidos, fortalecendo a amizade e o companheirismo.
A fé volitiva (resulta da vontade),  traduz-se em estilo de vida.
Jamais cresceremos sem a intervenção dos céus. É a norma divina para se manter inviolável a dependência da criatura perante seu Criador. A essência da verdadeira espiritualidade reside no fato de que o próprio Deus está interessado em conceder-nos o crescimento.

É NA EBD QUE TEMOS A OPORTUNIDADE DE CUMPRIR NOSSA PRIVILEGIADA E HONROSA MISSÃO EDUCADORA E TRANSFORMADORA. E isto, para a glória de Deus!
Em diversos lugares, a EBD não transforma, nem SE transforma. Precisamos assim como Jesus, nos posicionar contra aquilo que se inseriu na EDB, mas não contribui E, TAMPOUCO SERVE aos interesse do REINO DE DEUS!

QUE A NOSSA EBD SEJA, DE FATO, UMA AGENCIA TRANSFORMADORA, MEDIANTE O ENSINO TRANSFORMADOR DA PALAVRA, TRANSMITIDO POR PROFESSORES TRANSFORMADOS E TRANSFORMADORES, GERANDO ASSIM, CRISTÃOS MADUROS, ALCANÇADOS PELO PODER DE UM ENSINO FRUTÍFERO CONDUZINDO-OS  À UMA VIDA PLENA EM DEUS!

AMÉM!!!

 “Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus”  (Cl 1.10)





--------------------------------------------------------------------------------



O alicerce do aprendizado...

É o amor ao ensino que chega ao coração.

Lucas 6:40b " Todo aquele porém, que for bem instruído será como o seu Mestre "

O mais coerente é a lei do coração porque a lei do aprendizado causa impacto em quem recebe, não uma mente para outra, mas do coração para o coração

Deuteronômio 6:4-6 " Amar a Deus de todo o coração, toda alma e toda a força, quer dize; intelecto, emoção e vontade.

Assim o processo do aprendizado é uma transformação total de personalidade operada pela graça de Deus para alcançar outros, não somente transferência de intelecto para intelecto mas transformar vidas . 

Resume-se a essência do aprendizado em três conceitos:

1º ETHOS: caráter - trazer reação formal pela palavra de Deus

2º PATHOS : afetividade - ir até as emoções do aprendizado

3º LOGOS : conteúdo - verbalização impactante espiritual

No coração estes três conceitos formam um alicerce profundo e sustentável na vida do aprendiz estimulando um processo dinâmico para uma vida espiritual abundante e produtiva gerando uma mente sadia, emoção pura e atitude nobre.

Nota: o exercitamento do aprendizado leva ao aperfeiçoamento Cristão.


Por Pr José Carlos dos Santos
26/04/2015





--------------------------------------------------------------------------------


PARÁBOLAS DO REINO

Lição 3 – A Parábola da Semente

Versículo chave :
“O Reino de Deus é semelhante ao homem que lança a semente sobre a terra”.   Marcos 4:26

Textos para meditação diária :                            Texto Básico :  Mc 4:26-29

                    Segunda              Mc  04:26-29           
                    Terça                    Rm  12:1-21                                                                                                                   Quarta                 1Co 12:1-14
                    Quinta                  Gl    05:19-26
                    Sexta                    Ef    04
                    Sábado                Ef    05

INTRODUÇÃO
                A parábola da semente está diretamente relacionada à parábola do semeador, mais uma vez, o elemento de destaque não é o semeador, e sim a semente em si e o mistério que envolve o seu desenvolvimento. O que está em destaque é o desenvolvimento da vida. Assim como na parábola do semeador a semente é o evangelho, a palavra do reino e o solo mais uma vez representam o coração humano.
                O semeador representa “todos os que Deus usa no estabelecimento do seu Reino dentro do coração dos homens”. Quanto à semente, esta ilustra a palavra de Deus, cuja força, ainda que secreta e invisível, possui em si mesmo o poder germinativo da vida, isto é, pode tornar os homens Filhos do Reino. Por reino subentende-se um determinado grupo de súditos formados através da obediência à palavra do Rei, o qual já foi semeada nos corações destes.
A limitação do semeador fica evidenciada no fato de após a semeadura ele não poder mais fazer muito. Ele não pode apressar a colheita, a terra por si mesma produz o grão. A palavra grega aqui usada é autômatos de onde vem a nossa palavra: automático. Ou seja, o homem deve semear e automaticamente haverá colheita.

I

DESENVOLVIMENTO DA SEMENTE

Outro fato interessante são as fases de crescimento da semente. Ora sendo o Reino Espiritual, logo, não saímos do contexto se pensarmos nesse crescimento como espiritual. Só há plena saúde na planta quando esta produz fruto, caso contrário há uma anormalidade na mesma. Há certamente uma doença se ela para de crescer antes do tempo. A semente aqui referida produz o talo, a espiga e o grão cheio na espiga. Podemos aqui fazer um paralelo com o texto da primeira epístola de João em seu apelo às crianças, jovens e pais (IJo 2:12-14). Não se referindo à idade da carne e sim a seu estágio espiritual.
         A germinação da semente representa o início da vida espiritual, e o desenvolvimento da planta é uma bela figura do crescimento cristão. Como ocorre na Natureza, assim é na Graça; não pode haver vida sem crescimento. A planta precisa crescer ou morrer. Como seu crescimento é silencioso e imperceptível, mas constante, assim é o desenvolvimento da vida cristã. Nossa vida pode ser perfeita em cada fase de desenvolvimento; contudo haverá progresso continuo, se o propósito de Deus se cumprir em nós. A santificação é obra de toda uma vida. A planta cresce recebendo o que Deus provê para sustentar-lhe a vida. Aprofunda as raízes no solo. Absorve o sol, o orvalho e a chuva além das propriedades vitalizantes do ar. Fato é que semente bem desenvolvida gera planta sadia que por sua vez produz fruto.
         A seguir apresentaremos um resumo de um estudo de R. C. Sproul sobre o fruto do Espírito.


II

O FRUTO DO ESPÍRITO

Muitas vezes o Fruto do Espírito é um dos aspectos mais negligenciados no estudo da santificação. Isso porque é bem difícil “medir” o nível de desenvolvimento do fruto.

1.       A preocupação com coisas exteriores. Tendemos a medir o nosso progresso na santificação examinando nosso desempenho de acordo com padrões externos. Proferimos maldições e palavrões? Bebemos muito? Vamos muito ao cinema? Esses padrões são frequentemente usados para medir a espiritualidade. O verdadeiro teste – a evidência do Fruto do Espírito Santo – geralmente é ignorado ou minimizado. Foi nessa armadilha que os fariseus caíram. “Nós nos afastamos do verdadeiro teste porque o fruto do Espírito é difícil demais. Exige muito mais do caráter pessoal do que os padrões exteriores superficiais. É muito mais fácil evitar falar um palavrão do que adquirir o hábito de ter uma paciência piedosa”.

2.       A preocupação com os dons. O mesmo Espírito Santo que nos guia na santidade e produz fruto em nós também distribui os dons espirituais aos crentes. Parecemos muito mais interessados nos dons do Espírito do que no fruto, a despeito do ensino claro da Bíblia de que alguém pode possuir dons e ser imaturo no progresso espiritual. A carta de Paulo aos Coríntios deixa isso muito claro.

3.       O problema dos descrentes justos. É frustrante medirmos nosso progresso na santificação pelo fruto do Espírito Santo porque as virtudes relacionadas às vezes são exibidas num nível maior por descrentes. Todos nós conhecemos pessoas não cristãs que demonstram mais bondade ou mansidão do que muitos cristãos. Se as pessoas podem ter o “fruto do Espírito” independentemente do Espírito Santo, como podemos determinar nosso crescimento espiritual desta maneira?

Paulo faz uma lista das virtudes do fruto do Espírito em sua carta aos Gálatas: “Mas o fruto do Espírito é: amor, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” (Gl 5:22-23). Essas virtudes caracterizam a vida cristã. Se formos cheios do Espírito, vamos exibir o fruto do Espírito. Isso, porém, obviamente envolve tempo. Não são ajustes superficiais do caráter que ocorrem da noite para o dia. Tais mudanças envolvem uma reformulação das disposições mais intimas do coração, o que representa um processo de longa vida de santificação pelo Espírito.


CONCLUSÃO
Uma planta saudável que produz bom fruto demanda cultivo adequado além de tempo para o seu desenvolvimento. Do mesmo modo o desenvolvimento do fruto do Espírito na santificação e vida cristã é CDL – Central de Distribuição de Literatura gerado pela contínua dependência de Cristo que é a videira verdadeira. Essa nutrição espiritual se dá mediante o conhecimento da vontade de Deus em sua palavra em oração.


Igreja Evangélica Avivamento Bíblico

DGECEC – Diretoria Geral de Cultura e Educação Cristã


--------------------------------------------------------------------------------


PARÁBOLAS DO REINO

Lição 2 – O Semeador

Versículo chave :
“Por isso lhes falo por parábolas, porque eles vendo, não veem, e ouvindo não ouvem, nem compreendem”.   Mateus 13:13

Textos para meditação diária :                  Texto Básico :  Mt 13:18-23                                                               Segunda              Mt  13:13   
                                                                  Terça                  Mt  12:22-34                                                 
                 Quarta                 Mt  13:18-23
                       Quinta                  Hb  11:03; 01:03
               Sexta                  Jo  06:44-45
                    Sábado                Hb 03:13; 04:12

INTRODUÇÃO
                Acerca do contexto é interessante notar que as parábolas de Mt 13 sobre a natureza do reino de Deus (no final do segundo ano de seu ministério) foram ditas logo depois que os fariseus tinham recorrido a descartar os milagres de Jesus com a explicação de que eram demoníacos Mt 12:22-34. Aqui Jesus explicita de que é “Chegado o Reino de Deus” v28. O sinal evidente deste fato era a autoridade exercida por Ele, Jesus, sobre os espíritos demoníacos. Ou seja, o Reino de Deus estabelecido era de ordem espiritual.
                No mar da Galiléia (lago), sentado num bote próximo à margem estava a bela planície de Genesaré, além erguiam-se as colinas, e no sopé do monte, como também no planalto, havia semeadores e ceifeiros trabalhando, uns espalhando a semente e os outros ceifando o cereal maduro. Este é o cenário onde Cristo descreve esta parábola.

I

A SEMENTE

Esta parábola denota uma relação do reino com várias classes de homens. “O próprio Jesus interpretou esta parábola (Mt 13:18-23)”. A Semente consiste na pregação do reino, que iria prevalecer não pelo uso de armas, mas pela implantação de um princípio novo no coração dos homens. A Palavra de Deus é a semente.
                Toda semente tem em si um princípio germinativo. Nela está contida a vida da planta. Do mesmo modo há vida na Palavra de Deus. Cristo diz: “As palavras que Eu vos disse são espírito e vida.” Jo 6:63. “Quem ouve a Minha palavra e crê nAquele que Me enviou tem a vida eterna.” Jo 5:24. Em cada mandamento, em cada promessa da Palavra de Deus está o poder, sim, a vida de Deus, pelo qual o mandamento pode ser cumprido e realizada a promessa. Aquele que pela fé aceita a Palavra recebe a própria vida e o caráter de Deus. Cada semente produz fruto segundo a sua espécie. Lançai a semente sob condições adequadas, e desenvolverá sua própria vida na planta.  Recebei na alma, pela fé, a incorruptível semente da Palavra, e ela produzirá caráter e vida à semelhança do caráter e vida de Deus.

O Poder da Palavra de Deus.
O universo é criado e sustentado pela palavra de Deus (Hb 11:3; 1:3), é o sopro divino que está em sua palavra (Sl 33:6) é o sopro que nos deu a vida (Gn 2:7). A palavra do Todo Poderoso responde ao nosso espírito como a luz responde aos nossos olhos. Sua poderosa verdade viva penetra em nossos corações e desnuda nossos mais íntimos pensamentos (Hb 4:12). É a palavra do evangelho que nos salva (Rm 1:18; ICo 1:21), é a “palavra da sua graça” que nos edifica e garante a nossa herança entre o povo de Deus (At 20:23). A palavra gera (Tg 1:18), salva (Tg 1:21), regenera (IPe 1:23), liberta (Jo 8:32), produz fé (Rm 10:17), santifica (Jo 17:17) e nos atrai a Deus (Jo 6:44-45). A igreja tem recorrido à entretenimentos, festivais, esportes, aulas de inglês, bandas, eventos sociais e muitas outras coisas para tentar atrair as pessoas que não estariam interessadas, se pregassem somente o evangelho. Veja bem, todas estas coisas não são pecados em si, e podem fazer parte da comunidade. Mas a Igreja não pode se esquecer de que é O EVANGELHO que é poder de Deus para salvação e que todos os eventos e entretenimentos por mais atrativos que sejam não podem por si só gerar vida.


II

O SEMEADOR

Os elementos presentes na narrativa são: Semeador, semente e solos. “Eis que o semeador saiu a semear” Mt 13:3. No oriente tão incertas eram as circunstâncias, e as violências tão grande perigo ocasionavam, que o povo morava principalmente em cidades muradas, e os lavradores saíam diariamente para o trabalho. Da mesma maneira o Filho do Homem, saiu a semear. Deixou Seu lar celestial e deixou a glória que possuía junto ao Pai, antes de o mundo existir, deixou Sua posição no Trono do Universo. Em sua encarnação, homem sofredor e tentado regou com o próprio sangue a semente da vida para um mundo perdido. O Semeador é Jesus, mas também pode ser aplicado a qualquer discípulo que prega o reino, que leva a preciso semente. O trabalho do semeador é colocar a semente no solo. Semente deixada no celeiro, nunca produzirá uma safra, ao contrário, fica sem valor, perde completamente o propósito, daí a urgência em semear, o trabalho é demasiadamente importante. Todavia, a identidade pessoal do semeador não é. Quanto mais semente for plantada, maior será a colheita.


III

OS SOLOS


“Os diversos lugares onde pode cair a semente significam as características daqueles que recebem a semente, bem como o uso que fazem da semente, ou então como a semente germina ou não na vida desses indivíduos”. Aquilo de que a parábola do semeador principalmente trata é o efeito produzido sobre o crescimento da semente pelo solo em que é lançada. A semente lançada à beira do caminho representa a Palavra de Deus quando cai no coração do ouvinte desatento. O caminho eram as estradas cujo chão batido pela passagem constante de homens e animais se tornara duro, isso é difícil para a introdução da semente, o que tornaria fácil para o maligno (Satanás) roubá-la. Como o calcado caminho, pisado pelos pés de homens e animais, é o coração que se torna estrada para o comércio do mundo, seus prazeres e pecados. Absorvido em aspirações egoístas e condescendência pecaminosa, o coração se endurece “pelo engano do pecado” Hb 3:13. “Antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado”. As faculdades espirituais são enfraquecidas. O homem ouve sim a Palavra, mas não a entende. Não discerne que ela se aplica a ele próprio. Não reconhece suas necessidades nem seu perigo. Não percebe o amor de Cristo e passa pela mensagem de Sua graça como alguma coisa que não lhe diz respeito.
                A semente lançada no pedragal encontra solo pouco profundo. A planta brota rapidamente, mas se raízes não podem penetrar no rochedo a fim de obter nutrição para sustentar o seu crescimento, e logo perece. Muitos que professam religião são ouvintes de pedregais. Como a rocha está sob o sedimento da terra, está o egoísmo próprio do coração natural sob os bons desejos e aspirações. O amor ao próprio eu não está subjulgado. Ainda não atentaram para a gravidade do pecado, e o coração não está humilhado pelo sentimento de culpabilidade. Esta classe pode ser convencida com facilidade e parecer de promissores conversos, todavia sua religião é superficial. A semente que prospera é a que possui raiz, a Bíblia sempre compara os filhos do reino com árvores que devem  essencialmente estar recebendo do Senhor sua nutrição numa união invisível com Cristo, para um desenvolvimento adequado.
                A semente do evangelho cai muitas vezes entre espinhos e ervas daninhas; e se não ocorrer uma transformação moral no coração humano, e se não forem abandonados velhos hábitos e práticas da anterior vida pecaminosa, a colheita será sufocada. Jesus adverte que os cuidados deste mundo é que sufocam a palavra. Quando se permite que ervas daninhas cresçam junto com sementes puras, nenhum fruto pode ser produzido. As ervas disputam a água, a luz solar e os nutrientes e, como resultado, sufocam a boa planta. Existe uma grande tentação a permitir que interesses mundanos dominem tanto nossa vida que não nos resta energia para devotar ao crescimento do evangelho em nossas vidas. O coração dividido não agrada a Deus cuja determinação é exclusividade.
                Jesus nesta parábola ilustra que é pequena a porcentagem dos que aceitam a palavra, mas estes quando se desenvolverem darão muitos frutos. Fica evidente a rejeição geral do reino, representado pela rejeição ao evangelho, isto é, a semente, que é semeada no campo, ou seja, no mundo. Esta parábola é descrita por Ladd como “a ação presente do Reino de Deus e a resposta de cada pessoa a este”.
                O semeador não de experimentar sempre desenganos. Da semente que caiu em boa terra, o Salvador disse: “É o que ouve e compreende a Palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta.” Mt 13:23. “E a que caiu em boa terra, estes são os que, ouvindo a Palavra, a conservam num coração honesto e bom e dão fruto com perseverança” Lc 8:15
                “E DÃO FRUTO”. Os que tendo ouvido a Palavra, a guardam, produzirão fruto pela obediência. Recebida na alma, a Palavra de Deus se manifestará em boas obras. O resultado será visto na vida e caráter semelhantes aos de Cristo. Sl 40:8; Jo 5:30; IJo 2:6. Jesus não somente prediz que haverá fruto, mas também fala da abundancia do mesmo.


CONCLUSÃO
“O maior serviço que qualquer cristão pode realizar, é semear a boa Palavra, pela vida, pelos lábios e pela literatura. Palavras e ações são sementes que caem no solo dos corações”.


Igreja Evangélica Avivamento Bíblico
DGECEC – Diretoria Geral de Cultura e Educação Cristã

CDL – Central de Distribuição de Literatura

--------------------------------------------------------------------------------

PARÁBOLAS DO REINO

Lição 1 – Percorrendo as Parábolas

Versículo chave :
“E ensinava-lhes muitas coisas por parábolas, e lhes dizia na sua doutrina”.   Marcos 4:2

Textos para meditação diária :          Texto Básico :  Ef 5:22-23
                                                               Segunda             Mc  04:34
                                                              Terça                  Mt  13:9-11                                                       
                                                              Quarta                Mt  13:12-15
                                                              Quinta                Mt  07:24-27
                                                              Sexta                  Lc   14:35
                                                              Sábado               Mt  07:28-29

INTRODUÇÃO
As parábolas constituem um dos principais métodos de ensinos utilizados por Jesus. “No grego, o termoparabole, significa um paralelo ou comparação”. Algumas vezes as multidões que as ouviam não compreendiam seus ensinos, e até mesmo  seus discípulos mais chegados não podiam compreender o real significado de algumas parábolas de Jesus. De qualquer forma o uso de parábolas instigava os ouvintes despertando-lhes a atenção.
                Afinal, o que é uma parábola? Parábola é uma narrativa, imaginada ou verdadeira, que se apresenta com o fim de ensinar uma verdade. Difere do provérbio neste ponto; não é a sua apresentação tão concentrada como a daquele, contém mais pormenores, exigindo menor esforço mental para se compreender. E difere da alegoria, porque esta personifica atributos e as próprias qualidades, ao passo que a parábola nos faz ver as pessoas na sua maneira de proceder e de viver. Também difere da fábula, limitando-se ao que é humano e possível.
                A parábola tantas vezes aproveitada por Jesus, no Seu ministério (Mc 4:34), servia para esclarecer os Seus ensinamentos, referindo-se a vida comum e aos interesses humanos, para patentear a natureza do seu Reino, e para experimentar a disposição dos Seus ouvintes (Mt 21:45; Lc 20:19). As parábolas do Salvador diferem muito uma das outras. Algumas são breves e mais difíceis de compreender. Algumas ensinam uma simples lição moral, outras uma profunda verdade espiritual. As parábolas professadas por Jesus são o mais perfeito exemplo de linguagem figurada para mostrar e reforçar as verdades divinas. O conteúdo das parábolas é profundamente Teológico, e reflete não somente o caráter de Deus como também sua vontade aos homens.

1. PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÕES DAS PARÁBOLAS

O contexto deve governar o texto.
As parábolas foram primariamente contadas a uma determinada audiência numa ocasião específica. Poderíamos citar as três parábolas de Lucas 15 sobre “coisas perdidas” que foram respostas aos ataques feitos contra Jesus por causa de suas “más companhias” (versículos 1 e 2). As circunstâncias nas quais uma parábola foi contada nos dão uma indicação mais segura quanto ao propósito do Senhor para sua história. Às vezes esta informação de pano de fundo não está registrada e o significado de uma determinada parábola precisa ser buscado no contexto mais amplo dos Evangelhos.

Investigue a verdade principal que a parábola pretende ensinar.
                Muitas parábolas pretendem desenvolver apenas um ponto ou apontar para uma verdade espiritual específica. Lições secundárias podem muitas vezes ser legitimamente extraídas de uma parábola, mas isto deve ser feito depois que a mensagem principal tiver sido determinada.

Não se perca nos pormenores da parábola.
                Os pormenores de uma parábola às vezes podem ter significado, mas na maioria das vezes eles não contêm nenhum significado oculto e são simplesmente designados a preencher a história.
Não tente estabelecer uma posição doutrinária somente por uma parábola
                “Há muito que é esclarecido para nós pelas parábolas de Jesus, mas precisam ser sempre entendidas à luz dos ensinamentos claros da Escritura, nunca em contradição com ela. Estas ilustrações são mais destinadas a serem janelas do que pedras de fundação. Elas não declaram tanto uma doutrina quanto ilustram uma faceta significativa dela” (EARNHART, Paul – www.estudos-dabiblia.net consultado 17/09/2013).

Faça sempre uma aplicação pessoal de cada parábola
                Depois de ter determinado a lição, ou as lições corretas da parábola que está sendo estudada, a pergunta mais importante é: “Quais mudanças em minha vida e meus pensamentos esta parábola exige de mim?” É uma tragédia um Estudo Bíblico conduzido apenas por curiosidade intelectual. É imperativo, em nosso estudo das parábolas, que cada um continuamente pergunte, “Senhor, o que há aqui para mim?” Deste modo somente encontraremos os ouvidos de ouvir para os quais nosso Senhor apelou quando pela primeira vez ele ensinou por parábolas (MC 4:9-23).

2. A IMPORTÂNCIA E ATITUDES DAS PARÁBOLAS

Apesar de seu contexto longínquo, as Parábolas de Jesus são extremamente atuais. Seus ensinamentos são de grande importância para nós, visto que as mesmas são portadoras de verdades espirituais que vão muito além do tempo em que foram ditas. As parábolas das Escrituras são muito proveitosas, porque tal método é:

1.         ATRAENTE e, quando completamente compreendidas, mais fáceis de serem lembradas. São de grande ajuda à memória.

2.         Presta grande auxílio à mente e a capacidade de raciocinar.  Os seus significados dever ser estudados. É como uma mina de ouro, devemos escavá-la e buscá-la com toda a nossa diligência, para descobrir o verdadeiro veio. O método parabólico nos faz pensar. O Mestre dos mestres sabia que não poderia ensinar nada aos seus ouvintes, se não os levasse a ensinar a si próprios. Ele deveria alcançar a mente deles e fazê-los trabalhar com a dele.

3.         Chama e prende a atenção. Atentos às parábolas de Jesus, os ouvintes se mostravam maravilhados e diziam: “Nunca ninguém falou como este homem”. Ele precisava fazer o povo ouvi-lo e conseguiu! Era maravilhosa a forma em que usava, pronta e espontaneamente, as sugestões do momento; desse modo chamava e prendia a atenção dos que estivessem à sua volta!

4.         Preserva a verdade. Ao escrever acerca desse mérito em particular, Cosmo Lang disse: “Quando as pessoas pensam por si mesmas, nunca esquecem; o exercício da mente produz esse efeito. Além do mais, a linguagem dos símbolos – expressa por aquilo que o olho pode ver é construída na imaginação – é mais poderosa e de efeito mais duradouro do que a linguagem que utiliza somente palavras abstratas. Ela comunica e traz de volta à mente o significado interior com rapidez e segurança; traz consigo uma mensagem rica em sugestões e associações”. As palavras mudam constantemente de significado, ao passo que símbolos usados para a vida e para a natureza, como os que foram empregados pelo Senhor em suas parábolas, são tão duradouros quanto a própria natureza da vida.

CONCLUSÃO
Sendo um dos principais métodos de ensino de Jesus, e sendo nós discípulos e alunos do Mestre, vamos nos debruçar sobre as parábolas de Jesus e assim crescer com lições tão preciosas e edificantes.


Igreja Evangélica Avivamento Bíblico
DGECEC – Diretoria Geral de Cultura e Educação Cristã
CDL – Central de Distribuição de Literatura


-----------------------------------------------------------------------




O LAR NA DEPENDÊNCIA DE DEUS

Lição 1 – O Lar na dependência de Deus

Versículo chave :
“Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”.   Josué 24:15

Textos para meditação diária :                             Texto Básico :  Ef 5:22-23

 Segunda            Mt  5:13-16                                    
 Terça                 Mt  22:37-40                                   
 Quarta               Sl    133                                           
 Quinta               2Sm 6:11                                         
 Sexta                Gn  12:3                                           
 Sábado             At  16:31-34                                    
 Domingo          Dt  6:6-9                                                
                                           
                                                       

INTRODUÇÃO
                A revista “Lar na dependência de Deus” chega num tempo em que nosso país está enfrentando uma verdadeira avalanche de propostas contra esta instituição divina. Tais propostas são produzidas por pessoas que não tem nenhum compromisso com Deus, e querem a todo custo transformá-las em leis e com isso acabar de vez com a família.
                Graças à Igreja que está autenticada por Jesus como o sal da terra e a luz do mundo, a massa humana não se estragará de vez e nem as trevas espirituais dominarão este mundo tenebroso (Mt 5:13-16).
                Nossa primeira lição tem como objetivo incentivar a família cristã, a viver na total dependência divina, uma vez que ela constitui a base da igreja e da sociedade.

I

A FORMAÇÃO DE UM LAR CRISTÃO

O lar existe a partir da união matrimonial de um homem e uma mulher, ou seja, nasce no casamento conforme modelo exclusivo fornecido pela Bíblia Sagrada. O lar começa com o casal e ganha status de família com a chegada dos filhos. Algumas coisas são fundamentais na formação deste lar, como veremos a seguir:

1.       O namoro na dependência de Deus. A construção de um lar na dependência divina deve começar no namoro, estendendo-se para o noivado, e, finalmente chegando ao csamento.

2.       O casal de olhos bem abertos para os problemas. Problemas que prejudiquem a comunhão entre o casal e consequentemente com Deus precisam ser tratados em qualquer tempo: seja no namoro, seja no noivado ou no casamento.

a.    A frase “deixa pra lá”, é maligna porque transforma sentimentos em ressentimentos, causando verdadeiros prejuízos na família.

b.    Não podemos esquecer ordena sua benção onde houver verdadeira união (Sl 133). Infelizmente existem muitos lares privados da benção de Deus por falta de comunhão entre os próprios membros da família.

c.     Se os problemas não forem tratados faltará comunhão fraterna. Não havendo comunhão fraternal também não haverá verdadeira comunhão com Deus. Sem a comunhão com Deus não terá como viver na dependência dEle. Sem a dependência divina a formação do lar estará comprometida (Mt %:23-24).


II

O LAR CRISTÃO COMO BASE DA SOCIEDADE

Ninguém que conheça um pouco da Bíblia tem dúvidas de que é a falta de Deus nas famílias que tem produzido no telão da existência humana, cenas terríveis e degradantes que muitas vezes somos obrigados a assistir com um nó na garganta e outras vezes com nojo e repúdio; sentindo-nos impotentes diante delas!
                É nesse ponto que o lar cristão deveria entrar em cena, servindo de modelo e de incentivo para outros lares; mas nem sempre isto acontece, pelo fato de muitos desses lares cristãos estarem envolvidos com os mesmos problemas dos lares não cristão!

1.       O papel do lar cristão na sociedade é levar à sério a lição de casa. É claro que a vontade divina é abençoar todas as famílias na terra (Gn 12:3). O grande problema, porém, é que a maioria das famílias vivem mais preocupadas em satisfazer os desejos dos seus próprios egos, do que receber a benção de Deus! Diante desta triste realidade, o que o lar cristão pode fazer?

a.       Fazer a diferença. Não é novidade pra ninguém que muitos lares chamados cristãos não fazem nenhuma diferença em relação aos lares não cristãos! É complexo o fato de muitos desses lares viverem em verdadeiros conflitos, com cada um de seus membros buscando seus próprios interesses e aquém da Palavra de Deus, dando maus exemplos para os de fora.

b.       Desenvolver um relacionamento familiar pautado na sinceridade e no amor. Muitos lares cristãos amargam a realidade de ver membros da sua família envolvidos nas drogas e outros tipos de crimes! O serviço cristão de assistência aos presos tem detectado grande quantidade de crentes desviados e muitos filhos de cristãos dentro do sistema carcerário brasileiro.

c.        A Igreja precisa acordar quanto ao conformismo com as práticas mundanas! É notório hoje que dentro de uma boa parcela das igrejas evangélicas, alguns crentes já se divorciam e casam novamente com outra pessoa e continuam sendo crente numa boa! Líderes se divorciam, casam com outra mulher e continuam exercendo a liderança.

Como influenciar e incentivar uma sociedade doente à mudança, se a própria igreja está vivendo no mesmo patamar, praticando as mesmas coisas que a sociedade doente pratica?
Os lares destruídos pelo divórcio não tem sido o principal fator da desgraça das famílias? Como será a estrutura da nova geração, vítima do sucateamento familiar?
Se a igreja não fizer a lição de casa como manda a Palavra de Deus, o lar cristão será apenas uma base podre para a sociedade, ruindo e sendo destruído juntamente com ela!


III

O LAR CRISTÃO VIVENDO NA DEPENDENCIA DE DEUS


Quando alguém vive na dependência de Deus consegue renunciar às suas vontades próprias; quando necessário abre mão de suas razões pessoais em favor do seu próximo. Neste contexto é bom lembrar que o próximo mais próximo está dentro de casa! Viver na dependência de Deus é ser humilde, sabendo reconhecer seus erros, e sendo capaz de pedir perdão e liberar perdão.
Pensem comigo: Um lar cujos membros vivam assim, têm ou não têm tudo para ser um lar vitorioso, servindo de modelo e de incentivo para outros?

1.       Motivos de separação entre um casal. Salvo os casos de traição, a maioria dos divórcios tem sidos justificados pelo que chamam de: “incompatibilidade de gênios”. E o que é pior! Muitos crentes já embarcaram nessa também!

2.       A incompatibilidade de gênios como justificativa para se por fim a um casamento é o cúmulo dos absurdos! Vamos analisar com cuidado essa desculpa esfarrapada, que tem colocado fim em inúmeros casamentos e desgraçado muitas famílias com prejuízos para muitas crianças inocentes que não tem culpa nenhuma da burrice dos pais.

a.       Se fosse para o casal ter a mesma natureza, mesmo comportamento, mesma maneira de pensar, mesma forma de visão, Deus os teria feito assim.

b.      O casal vem para o casamento de famílias diferentes, de formações diferentes, com pensamentos e comportamentos diferentes, enxergando a vida por perspectivas diferentes, e acabam com esse casamento usando como justificativa a incompatibilidade de gênios? Ora, isso não é o cúmulo dos absurdos?

c.       Na perspectiva divina, as diferenças são para serem administradas, trabalhadas, de forma a melhorar e completar o casal. Diferenças não são para levar o casal ao divórcio! Se fosse, com certeza Deus os teria feitos iguaizinhos!

d.      Na verdade, o que tem acabado com muitos casamentos não são as diferenças existentes entre o casal: mas a falta de humildade para abrir mão de suas razões próprias, a falta de humildade para reconhecer e assumir seus erros confessando e abandonando-os, a falta de consciência de ele talvez tenha defeitos do que seu próprio cônjuge!

A Palavra de Deus diz, que se cada um julgasse a si mesmo não haveria necessidade de ser julgado (1Co 11:31)!
As diferenças existentes entre as pessoas não destrói o casamento. O que tem destruído muitos lares e: o orgulho, o egoísmo, a arrogância, a teimosia, a falta de humildade e de obediência à Palavra de Deus; isto sim tem causado muitas destruições nas famílias!


CONCLUSÃO
A formação de um lar bem estruturado vivendo na dependência divina é capaz de superar todas as intempéries da vida e permanecer inteiro e esta lição tem como objetivo incentivar os casais a aceitarem tal desafio, sendo: humildes para reconhecer seus próprios erros e não os erros do outro, ser capaz de pedir perdão e liberar perdão. Ter coragem para abrir mão de suas vontades e razões próprias em benefício do cônjuge.
Só assim o lar cristão será um referencial para os lares da sociedade contemporânea, e mais  do que isso; será um forte referencial para os futuros lares dos próprios filhos.


Igreja Evangélica Avivamento Bíblico
DGECEC – Diretoria Geral de Cultura e Educação Cristã
CDL – Central de Distribuição de Literatura

--------------------------------------------------------------------------------