sexta-feira, 31 de outubro de 2014

PÃO DIÁRIO - 31/10/2014 - Seguido de perto


Seguido de perto

Vi uma sombra me seguindo. Em um corredor escuro, virei em um canto para subir as escadas e fiquei assustado com o que vi; quase perdi o chão. Alguns dias depois aconteceu novamente. Passei pelos fundos da minha cafeteria favorita e vi uma grande sombra de alguém vindo até mim. No entanto, ambos os incidentes acabaram com um sorriso. Eu estava me assustando com minha própria sombra!

O profeta Jeremias falou sobre a diferença entre medos reais e fictícios. Um grupo de compatriotas judeus pediu-lhe que descobrisse se o Senhor queria que ficassem em Jerusalém ou retornassem ao Egito por SEGURANÇA, pois temiam o rei da Babilônia (Jeremias 42:1-3). Jeremias disse-lhes que se ficassem e confiassem em Deus, não precisariam temer (vv.10-12). Mas se retornassem ao Egito, o rei da Babilônia os encontraria (vv.15,16).

Em um mundo de perigos reais, Deus tinha dado a Israel razões para confiar nele permanecendo em Jerusalém. Ele já os havia resgatado do Egito. Séculos depois, o tão esperado Messias morreu por nós para nos libertar de nossos pecados e do medo da morte. Que nosso Deus Todo-poderoso nos revele hoje como viver na SEGURANÇA de Sua sombra, ao invés de vivermos em nossos medos sombrios que nós mesmos criamos.

—MRD

Leia: Jeremias 42:1-12 

Examine: O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? —Salmo 27:1

Considere: Sob a sombra protetora das asas de Deus, as pequenas sombras da vida perdem seu terror.

Devocional - 31/10/2014 - A mentira do eu


A mentira do eu

Porque nós (cristãos) é que somos a circuncisão, nós que adoramos a Deus no Espírito, e nos gloriamos (nos orgulhamos e exultamos) em Cristo Jesus, e não confiamos (ou dependemos do que somos) na carne (ou em privilégios exteriores, vantagens físicas e aparência exterior).
FILIPENSES 3.3

A autoconfiança é valorizada na cultura dos nossos dias. A sociedade proclama a necessidade básica de confiar em si mesmo e de que você precisa sentir-se bem se quiser realizar algo na vida. Muitos crêem nessa mentira. Muitas pessoas gastam a vida escalando a escada do sucesso somente para alcançar o topo e descobrir que sua escada estava apoiada no edifício errado. Outros lutam para agir de forma perfeita somente para encarar erros repetidos. O resultado é sempre o mesmo: vazio e miséria. Você não precisa acreditar em si mesmo; basta acreditar em Jesus que vive em você. Você não precisa de autoconfiança; precisa confiar em Deus!



Por Joyce Meyer

O corpo humano, uma obra de arte



O livro de Jó faz uma das declarações mais fantásticas acerca da origem do homem. Eis o que está escrito: “O Espírito de Deus me fez, e o sopro do Todo-poderoso me dá vida” (Jó 33.4). O nosso corpo tem dois componentes bem distintos: Fomos feitos do barro e recebemos vida pelo sopro de Deus . Assim, somos corpo e alma. Nosso corpo, feito pelo Espírito de Deus, é uma máquina supermoderna. A mais sofisticada tecnologia jamais concebeu algo tão extraordinário. A mente mais brilhante jamais criou algo tão sublime. Somos um prodígio do Criador. O homem não é singular apenas pela beleza inefável de seu corpo, mas, também, e sobretudo, pela sua semelhança com o Criador. Essa semelhança não é física, pois Deus é espírito. Essa semelhança é moral e espiritual. Temos consciência e relacionamo-nos com Deus, o Criador. Podemos amá-lo e glorificá-lo. Podemos buscá-lo em oração e devotarmo-nos a ele em sincera e profunda consagração.

Marshall Nirenberg, prêmio Nobel de biologia, descobriu que nosso corpo tem cerca de sessenta trilhões de células vivas e em cada uma há um metro e setenta centímetros de fita DNA, onde estão gravados e computadorizados todos os nossos dados genéticos, como a cor da nossa pela, a cor dos nossos olhos e o nosso temperamento. John Wilson, famoso oftalmólogo, disse que temos em torno de dois milhões de fios duplos encapados em cada um de nossos olhos. Se não fora assim, haveria um curto-circuito e ficaríamos cegos. Se nós pudéssemos esticar a fita DNA do nosso corpo, teríamos cento e dois trilhões de metros, cento e dois bilhões de quilômetros. Isso daria para dar várias voltas no sistema planetário. Nós somos um ser programado e computadorizado geneticamente. Falar que somos resultado de uma geração espontânea ou obra do acaso contraria essa realidade inexorável.

O rei Davi disse que Deus fez o nosso corpo de forma assombrosamente maravilhosa, entretecendo-nos no ventre de nossa mãe. Ele viu quando éramos apenas uma substância informe. É meridianamente claro que não somos produto de uma evolução de milhões e milhões de anos. A chamada teoria da evolução não possui a evidência das provas. O próprio livro Origem das Espécies de Charles Darwin, publicado em 1859, em Londres, possui nada menos que oitocentos verbos no futuro do subjuntivo: “Suponhamos”. O Criacionismo não é uma vertente religiosa, como muitos querem. É estritamente científico. Que o universo foi criado, a ciência prova. Que o homem foi criado, a ciência confirma. O que é matéria de fé é que nós cremos que Deus é o criador do universo. Afirmamos, portanto, com inabalável convicção, que não viemos de uma ameba nem somos parentes dos símios. Viemos das mãos do divino artífice. Somos uma obra de arte do Criador. Somos criados à sua imagem e semelhança. As digitais do Todo-poderoso podem ser encontradas em nós.

Muito embora o homem tenha sido criado perfeito, o pecado deformou sua beleza moral. A imagem de Deus estampada em nós na criação, tornou-se a imagem de Deus deformada na queda. Porém, em Cristo, somos a imagem de Deus restaurada. Agora, somos feitura de Deus, criados em Cristo Jesus, para as boas obras. Somos o poema de Deus, a poesia mais bela do Criador. Nossa vida deve resplandecer a beleza de Cristo. A face do Filho refletida em nós, pelo poder do Espírito Santo, deve resplandecer a glória do Pai. Somos uma obra de arte na criação e uma obra da graça na redenção. Fomos feitos perfeitos na criação e declarados perfeitos na redenção. O homem por inteiro, corpo e alma, procede de Deus e só encontra sentido na existência quando se volta para Deus.



Por Rev. Hernandes Dias Lopes

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

PÃO DIÁRIO -30/10/2014 - Trabalhar para o vento


Trabalhar para o vento

Howard Levitt perdeu sua Ferrari de 200 mil dólares em uma rodovia inundada em Toronto, Canadá. Ele tinha passado por algo que parecia ser uma poça antes de perceber que era muito mais fundo e que o nível da água subia rapidamente. Quando a água atingiu os para-lamas da Ferrari, seu motor de 450 cavalos parou. Felizmente, ele conseguiu sair do CARRO e chegar a um terreno mais alto.

O CARRO esportivo inundado me lembra da observação de Salomão de que “…riquezas se perdem por qualquer má aventura…” (Eclesiastes 5:14). Desastres naturais, roubos e acidentes podem levar nossos bens mais estimados. Mesmo que consigamos protegê-los, certamente não podemos arrastá-los conosco para o céu (v.15). Salomão perguntou: “…que proveito lhe vem de haver trabalhado para o vento?” (v.16). Há certa futilidade em trabalhar apenas para adquirir bens que no fim das contas desaparecerão.

Há algo que não deteriora e que podemos “levar conosco.” É possível armazenar tesouro celestial eterno. Buscar virtudes como generosidade (Mateus 19:21), humildade (5:3) e persistência espiritual (Lucas 6:22,23) produzirão recompensas duradouras que não podem ser destruídas. O tipo de tesouro que você busca terá fim na terra? Ou você está buscando “…as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus”? (Colossenses 3:1).

—JBS

Leia: Eclesiastes 5:10-17 

Examine: …que proveito lhe vem de haver trabalhado para o vento? —Eclesiastes 5:16

Considere: Os tesouros na terra não se comparam aos tesouros no céu.

Devocional - 30/10/2014 - Nenhuma condenação


Nenhuma condenação

Quem nele crê (depende, confia) não é julgado [aquele que confia nele não entra em juízo, pois para ele não há rejeição, ou condenação]. JOÃO 3.18

O Espírito Santo trabalha para convencê-lo do pecado e da justiça (veja João 16.7-11). A ação do Espírito pretende convencê-lo a se arrepender, o que significa voltar atrás e seguir na direção certa. É normal você se sentir culpado quando inicialmente foi convencido do pecado; mas permanecer sentindo-se culpado após ter se arrependido não é saudável, não é a vontade de Deus. A convicção é inteiramente diferente da condenação. 
A condenação o oprime e o coloca sob o peso de culpa, mas a convicção pretende levantá-lo para algo, ajudá-lo a subir mais alto no plano de Deus para sua vida. Se você está sofrendo sob o peso de condenação, lance sua culpa diante do trono de Deus nesta noite e receba Seu perdão e Sua misericórdia.



Por Joyce Meyer

Uma mocidade forte


A juventude é uma fase empolgante da vida. Ela é cheia de vigor, marcada por sonhos altaneiros, bafejada por um sublime idealismo. Ser jovem cristão neste mundo, entretanto, é um grande desafio, pois a juventude, de forma geral, está sem referencial, confusa, sem valores absolutos e sem alvos definidos. Nossa sociedade está vendo seus jovens se capitulando debaixo das botas dos vícios mais degradantes. Está vendo seus jovens desfibrando-se moralmente, mergulhados num hedonismo selvagem, entregando-se no altar aviltante da promiscuidade mais escandalosa. Assistimos, estarrecidos, uma geração jovem copiando os piores modelos, seguindo os paradigmas mais extravagantes, rebelando-se contra todos os valores absolutos de Deus, exarados em Sua Palavra.

O jovem cristão, neste sociedade caotizada pelo pecado, tem uma grande responsabilidade. Conforme disse Paulo a Timóteo, temos que ser modelos na palavra, no procedimento, no amor, na fé e na pureza. Temos que guardar puro o nosso caminho pela observância cuidadosa da Palavra de Deus. Como disse o apóstolo João, temos que ser fortes, temos que reter a Palavra em nosso coração, temos que vencer o maligno. Como jovens, temos que ser uma geração santa, fiel, que conheça a Deus na intimidade. Temos que ter mais do que nome de cristãos, temos que sê-lo genuinamente. Temos que impactar nosso meio não apenas com palavras de poder, mas com atos irrefutáveis. Temos que ser, antes de dizer. Temos que viver, antes de mostrar. Temos que falar a Deus antes de falar aos homens. Temos que reter a Palavra, antes de ensiná-la. Temos que adornar a doutrina que professamos com uma vida irrepreensível.

Conclamo, portanto, a juventude da nossa igreja a levar Deus a sério. Deus está buscando alguém cujo coração seja totalmente dele. Queremos ver uma mocidade comprometida com Deus, santa, pura, digna da sua elevada vocação. Queremos ver jovens que se empolguem com os projetos do Reino de Deus e não com as coisas deste mundo posto no maligno. Queremos ver o levantamento de uma geração jovem que conheça a intimidade do altar, que tenha uma vida abundante de oração, que se deleite no louvor ao Deus vivo, que testemunhe com ousadia e desassombro o Evangelho da cruz. Estamos orando para que os jovens da nossa igreja, levantem-se na força do Espírito Santo, como uma mocidade compacta, unida, coesa, vigorosa, determinada a realizar grandes projetos no Reino de Deus. Podemos sonhar grande. Podemos pensar alto. Podemos alçar vôos altaneiros. O Evangelho que abraçamos é o poder de Deus para a salvação de todo o que crê. O Espírito que recebemos é Espírito de poder. O Reino que está dentro de nós, não consiste de palavras, mas de poder. Não precisamos viver como fracos. Somos mais do que vencedores. Temos que ser jovens mais arrojados, mais fiéis, mais determinados em andar com Deus, em viver para Deus e em realizar grandes coisas para a glória de Deus. Avante mocidade, em nome de Jesus!



Rev. Hernandes Dias Lopes

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

PÃO DIÁRIO - 29/10/2014 - Primeira reação


Primeira reação

Quando meu marido, Tom, foi levado ao hospital para uma cirurgia de emergência, comecei a telefonar para os membros da família. Minha irmã e seu marido vieram imediatamente para ficar comigo e oramos enquanto esperávamos. A irmã de Tom ouviu minha voz ansiosa no telefone e disse no mesmo instante: “Cindy, posso orar com você?” Quando meu pastor e sua esposa chegaram, ele também orou por nós (Tiago 5:13-16).

Oswald Chambers escreveu: “Tendemos a usar a oração como último recurso, mas Deus quer que seja nossa primeira linha de defesa. Oramos quando não há nada mais que possamos fazer, mas Deus quer que oremos antes de fazermos qualquer outra coisa.”

A oração, em suas raízes, é simplesmente uma conversa com Deus, pronunciada na esperança de que Ele a ouve e responde. Na verdade, ela não deveria ser o último recurso. Em Sua Palavra, Deus nos encoraja a comprometermo-nos com Ele em oração (Filipenses 4:6). Também temos Sua promessa de que quando “…estiverem dois ou três reunidos…” em Seu nome, Ele estará “…no meio DELES” (Mateus 18:20).

Para aqueles que experimentaram o poder do Todo-poderoso, nossa primeira inclinação geralmente é clamar a Ele. Andrew Murray, pastor do século 19, disse: “A oração abre o caminho para que o próprio Deus faça Sua obra em nós e por meio de nós.”

—CHK

Leia: Tiago 5:13-16 

Examine: Não andeis ansiosos de coisa alguma; […] porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições […]. —Filipenses 4:6

Considere: Ore antes!

Devocional - 29/10/2014 - Seja quem você é

Seja quem você é


Não nos deixemos possuir de vanglória (ou autoexaltação), provocando uns aos outros (competindo entre nós, desafiando, provocando ou irritando uns ao outro), tendo inveja uns dos outros. GÁLATAS 5.26

Em Gálatas 6.4, o apóstolo Paulo o exorta a crescer no Senhor até que você chegue ao ponto em que pode ter satisfação pessoal e alegria de fazer tudo de forma recomendável sem ter a necessidade de comparar-se com qualquer outra pessoa. Agradeça a Deus, pois, ao saber quem você é em Cristo, você é livre do estresse da comparação e da competição. Você sabe que sua dignidade e valor não dependem da suas obras e realizações. Portanto, você pode fazer o melhor para glorificar a Deus, em vez de simplesmente tentar ser melhor do que qualquer outra pessoa. 
Que liberdade gloriosa e maravilhosa estar seguro em Cristo e não ter de ser controlado pela disputa, pela inveja e pelo ciúme. Você pode ser tudo que Deus o criou para ser! Ele não comete erros.


Por Joyce Meyer

Avivamento, a solução divina para a crise


Os grandes avivamentos aconteceram em tempos de crise. Quando o homem esgota seus recursos, reconhece sua falência e clama pelo socorro divino, Deus restaura a sua sorte. Quando a terra está seca é que Deus derrama sobre ela as suas torrentes. Quando os pecadores se humilham e choram pelos seus pecados é que Deus envia do céu a sua cura. Quando todas as esperanças terrenas sofrem um colapso, é que Deus se manifesta poderosamente trazendo restauração para o seu povo. Mesmo quando o povo de Deus perde sua vitalidade espiritual e se torna como um vale de ossos secos, sem alegria, sem entusiasmo com a prática do cristianismo autêntico, Deus sopra ele o seu sopro e o levanta como um exército poderoso. Nenhuma crise pode superar a capacidade divina de intervir na vida do seu povo. Mesmo que o mundo olhe para a igreja com desdém, com ceticismo, diagnosticando a sua crise, descrendo da sua restauração, Deus pode derramar sobre ela o poder do seu Espírito, aspergi-la com o óleo da sua unção e fazer dela uma agência poderosa do céu na terra.

O avivamento põe a igreja de pé em tempos de desânimo, põe a igreja em marcha em tempos de cansaço e põe a igreja na intimidade de Deus em tempos de corrupção e impiedade. O avivamento é uma ação soberana de Deus e não resultado do esforço humano. O homem não pode produzir o avivamento. O avivamento não pode ser agendado, programado nem domesticado pelo homem. A maior necessidade da igreja hoje é de um genuíno avivamento. Antes da igreja convocar o mundo a se arrepender, ela precisa estar quebrantada. O juízo deve começar pela casa de Deus. Quando o povo de Deus se humilha, ora, e se converte de seus maus caminhos, é que Deus intervém sarando a terra.

A obra de Deus não pode ser realizada na força da carne. Não basta a nós, como igreja, ter uma boa organização, uma estrutura sólida, uma equipe docente bem qualificada. Precisamos, sobretudo, do poder do Espírito Santo. Não é suficiente apenas termos doutrinas corretas, ortodoxas, precisamos do óleo do Espírito banhando essa doutrina. Não é suficiente apenas termos professores estudiosos ensinando a Bíblia, precisamos que eles sejam ungidos e fortalecidos com poder. A igreja precisa de poder para impactar o mundo. A Palavra de Deus precisa ser a verdade em nossa boca, precisa ser praticada em nossa vida, precisa ser adornada pelo nosso exemplo.

O fogo de Deus precisa arder em nosso coração para termos fervor espiritual. Precisamos ser um graveto seco a pegar fogo a fim de inflamarmos outros. Quando o fogo do Espírito de Deus arde na vida da igreja o entulho do pecado é queimado, uma sede de santidade explode em seu meio, a comunhão com os irmãos é restaurada e uma profunda inquietude em relação aos perdidos leva a igreja a uma evangelização vigorosa. Ah! Que esta igreja volte às trincheiras da luta pela busca de uma visitação especial de Deus e que o nosso coração não desanime até que o Senhor restaure a nossa sorte!



Rev. Hernandes Dias Lopes.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

PÃO DIÁRIO - 28/10/2014 - Novo na família


Novo na família


Durante uma viagem missionária à Jamaica com o coral cristão do Ensino Médio, testemunhamos um exemplo do amor de Deus em ação. No dia em que visitamos um orfanato de crianças e adolescentes com necessidades especiais, descobrimos que Douglas, um dos meninos com quem nossos jovens havia interagido — um adolescente com paralisia cerebral — ia ser adotado.

Quando o casal que o adotaria chegou à “base” onde estávamos hospedados, foi uma alegria conversar com eles sobre Douglas. Mas o melhor aconteceu depois. Estávamos na base quando Douglas e seus novos pais chegaram logo após saírem juntos do orfanato. Enquanto a nova mamãe abraçava seu filho, nossos alunos juntaram-se ao redor e cantaram canções de louvor. Lágrimas foram derramadas. Lágrimas de alegria. E Douglas estava radiante!

Mais tarde, um dos estudantes me disse: “Isto me lembra de como deve ser no céu quando alguém é salvo. Os anjos regozijam-se porque alguém foi adotado para a família de Deus.” Realmente, foi uma imagem da alegria no céu quando alguém novo passa a fazer parte da família eterna de Deus pela fé em Cristo. Jesus falou deste grande momento ao dizer: “…haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende…” (Lucas 15:7).

Louve a Deus por nos ter adotado em Sua família. Não é surpresa que os anjos regozijem-se!

—JDB


Leia: Lucas 15:3-7 

Examine: …haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos… —Lucas 15:7

Considere: Os anjos se alegram quando nos arrependemos.

Devocional - 28/10/2014 - Da cisterna ao palácio


Da cisterna ao palácio


Mas, logo que chegou José a seus irmãos, despiram-no da (elegante) túnica, a túnica talar de mangas compridas que trazia. E, tomando-o, o lançaram na cisterna, vazia, sem água.
GÊNESIS 37.23-24

Quando os irmãos de José o atiraram na cisterna para morrer, Deus tinha outros planos.
A Bíblia diz que José não tinha uma mentalidade de escravo, embora tivesse sido vendido como escravo. Ele ainda cria que poderia fazer grandes coisas. Finalmente, ele terminou como segundo no comando do Egito, servindo a Faraó. Como José saiu da cisterna para o palácio? Ao permanecer positivo, recusando-se a ser amargo, permanecendo confiante e crendo em Deus.
Ajuste sua mente agora mesmo para fazer algo grande para Deus. Não importa onde você começou, ainda pode ter um grande final. Se as pessoas o maltrataram, não perca tempo tentando se vingar; deixe-as na mão de Deus e confie nEle para fazer justiça em sua vida.


Por Joyce Meyer

O juízo final



A santidade e a justiça de Deus exigem a existência de um juízo final. Se não existisse um juízo final, a história não teria sentido. Neste mundo, muitas vezes, vemos um Herodes no trono e um João Batista na prisão, um Nero julgando e um Paulo sendo degolado. Neste mundo, muitas vezes, o culpado está togado, empoleirado no poder, julgando e condenando inocentes. Neste mundo, muitas vezes, a verdade é aviltada e a mentira é elevada ao trono. Neste mundo, muitas vezes, homens perversos planejam e executam seus crimes execrandos e escapam das mãos da lei ou são pelos representantes dela protegidos. Outros, subornam tribunais, corrompem juízes que vendem suas consciências e conspurcam seu manto sacrossanto. Há aqueles que conseguem se esconder dos tribunais da terra, e mesmo sendo vis, são aplaudidos como beneméritos da sociedade. Neste mundo, muitas vezes, aqueles que zombam de Deus, escarnecem da verdade, pisam a justiça, corrompem os inescrupulos, torcem a lei e esmagam os indefesos, prosperam e aqueles que andam na retidão são afligidos e injustiçados.

O juízo será o momento em que Deus vai vindicar a sua justiça. Todos vão comparecer perante o tribunal de Cristo para dar conta de suas obras. Jesus Cristo será o supremo juiz. Seu trono é trono de justiça. Naquele tremendo dia do juízo, as máscaras dos poderosas cairão. Os crimes hediondos, escondidos sob o manto dos séculos, virá à tona. Aqueles que viveram na devassidão e foram assim mesmo aplaudidos pelo mundo, verão naquele dia que o pecado é um engodo e que o seu salário é a morte. Naquele dia ninguém poderá fugir da ira do Cordeiro de Deus. Naquele dia os homens ímpios buscarão a morte, mas ela fugirá deles. Naquele dia, em vão os homens buscarão clemência e socorro. Aquele, para muitos, será um dia de trevas e não de luz, de condenação irrevogável e não de absolvição. Naquele dia o dinheiro dos poderosos não poderá subornar, nem a fama dos potentados deste mundo granjear o favor do juiz. Jesus não faz acepção de pessoas. Tudo o que o homem falou, fez, deixou de fazer e pensou virá à tona. Nada será esquecido. Nada ficará encoberto. A mentira cobrirá a sua cara de vergonha. E o homem terá de receber sua sentença final, sem chance de apelação para instância superior. Aquele é o supremo tribunal do universo. A condenação dos ímpios será final, eterna e inapelável. Os ímpios irão para o castigo eterno e os justos para a vida eterna. Naquele dia quem não tiver seu nome inscrito no livro da vida, ou seja, quem deixou de crer em Cristo como seu Salvador e Senhor, será lançado no lago do fogo, a saber, a segunda morte.

Breve, muito breve, estaremos diante do tribunal de Deus. O tempo de se preparar é agora. Você já está pronto para se encontrar com Deus? Entregue agora a sua vida a Jesus. Hoje Ele pode ser o seu advogado, amanhã Ele será o seu juiz.


Rev. Hernandes Dias Lopes.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

PÃO DIÁRIO - 27/10/2014 - Todos juntos


Todos juntos


Por anos o piano de minha esposa e o meu banjo tiveram um relacionamento desconfortável e pouco frequente. Assim, depois que Janete me deu um novo violão em meu aniversário, demonstrou interesse em aprender a tocar meu antigo violão. Ela é uma musicista muito capaz e em pouco tempo estávamos tocando juntos canções de louvor em nossos violões. Gosto de pensar que um novo tipo de “conexão de louvor” preencheu nossa casa.

Quando o salmista foi inspirado para escrever sobre a adoração a Deus, ele começou com esta exortação: “Celebrai com júbilo ao Senhor, todos os confins da terra; aclamai, regozijai-vos e cantai louvores” (98:4). Ele nos chamou a cantar ao Senhor com instrumentos como harpas, trombetas e buzinas (vv.5,6). Ele ordenou a toda a terra que celebrasse “…com júbilo ao Senhor…” (v.4). Nessa poderosa orquestração de louvor, o mar rugirá em exaltação, os rios baterão palmas e as colinas cantarão em alegria. Toda a raça humana e a criação estão juntas conclamadas a louvar ao Senhor em “…um cântico novo…” de louvor, “…porque Ele tem feito maravilhas…” (v.1).

Permita hoje seu coração conectar-se a outros e à criação de Deus cantando louvores ao poderoso Criador e Redentor.

—HDF

Leia: Salmo 98:1-9 

Examine: Celebrai com júbilo ao Senhor, todos os confins da terra; aclamai, regozijai-vos e cantai louvores. —Salmo 98:4

Considere: Deus pode usar instrumentos comuns para produzir uma orquestra de louvor.

Devocional - 27/10/2014 - A vida livre de estresse


A vida livre de estresse


Vinde a mim, todos os que (trabalhais e) estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei (Eu vos reconfortarei, socorrerei e restaurarei suas almas). MATEUS 11.28 

Muitas pessoas hoje são estressadas muito além do que qualquer ser humano poderia suportar. Cada pessoa é bastante diferente, exclusivamente criada pelo plano de Deus. O que é complicado para alguns pode ser simples para outros. Não se compare com outras pessoas. Quando enfrentar um problema ou dificuldade, pergunte a si mesmo: “O que Jesus gostaria que eu fizesse nessa situação? Como Ele agiria”? Jesus não ficava estressado ou perturbado. Ele não era controlado por circunstâncias ou exigência das pessoas. 
Em João 14.6, Jesus disse: “Eu sou o caminho”. Seu caminho é o caminho certo, o caminho que o levará à justiça, à paz e à alegria. Jesus orou para que sua alegria enchesse nossa alma, e isso acontecerá quando você aprender a ter a atitude de Jesus diante da vida e de seus muitos desafios.



Por Joyce Meyer

Maturidade espiritual


Maturidade espiritual é o alvo do discipulado. A grande ênfase de Jesus na grande comissão é “fazer discípulos”. Nosso compromisso, portanto, vai além da evangelização. O Senhor quer mais do que crentes ou novos membros em sua igreja, ele quer discípulos. O discipulado é efetivado através da integração na igreja local, pelo batismo, e através do ensino contínuo. O ensino que Jesus estabeleceu vai além da comunicação verbal da verdade. O princípio estabelecido por Jesus é, “ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado.” O verdadeiro ensino desemboca na obediência. Não se trata apenas de aprender um acervo teológico e doutrinário, mas esse acervo deve ser convertido em vida transformada, ou seja, em maturidade espiritual.

O discípulo é um seguidor e imitador de Cristo. Seu alvo é aprender com Cristo e de Cristo. Sua vida deve refletir a vida de Cristo. Ele deve andar assim como Cristo andou. Sem obediência a Deus, não há cristianismo autêntico. Sem santidade, não há evidência de maturidade espiritual. Sem maturidade espiritual, não podemos viver de modo digno de Deus.

O grande alvo do ministério de Paulo era conduzir os crentes à maturidade espiritual (Colossences 1:28). O conteúdo de suas orações em favor da igreja sempre foi por maturidade espiritual. A Bíblia nos foi dada para que pudéssemos chegar à maturidade espiritual (2 Timóteo 3:15-17). Os dons espirituais nos foram concedidos para que experimentássemos maturidade espiritual ( Efésios 4:11-16). Sem maturidade a igreja fica vulnerável aos ventos de doutrinas (Efésios 4:14). Sem maturidade espiritual a igreja corre o risco de fazer dos dons espirituais uma matéria de conflito e desarmonia em vez de canal para edificação do corpo (1 Coríntios 12:12-31).

A maturidade espiritual é medida pelo conhecimento e pelo amor. É impossível chegarmos à maturidade sem o conhecimento das Escrituras. O profeta Oséias denunciou que o povo de Deus perece por falta de conhecimento (Oséias 4:6). Quando a igreja despreza ou subestima o ensino sólido e fiel das Escrituras, ela sucumbe diante das muitas novidades, forâneas à verdade, que aparecem no mercado religioso. Precisamos ser zelosos da doutrina para podermos reconhecer o que é falso ensino e assim rechaçá-lo. Mas, maturidade espiritual é medida também pelo amor. O mundo vai nos conhecer como discípulos de Cristo através do amor (João 13:34,35). A igreja de Éfeso, embora fiel à doutrina e vigilante às heresias, falhou por abandonar o seu primeiro amor (Apocalipse 2:4). Sem amor nossa prática cristã torna-se farisaica.

À luz das Escrituras, você é um crente maduro? Você tem estudado a Bíblia diariamente? Tem adorado a Deus em espírito e em verdade? Tem obedecido os princípios absolutos de Deus, contidos em sua Palavra, com alegria? Tem procurado honrar, agradar e glorificar a Deus em suas atitudes, palavras e ações dentro do lar, no seu trabalho e nos seus relacionamentos? Tem partilhado com outras pessoas o Evangelho da Graça? Tem amado os seus irmãos e até mesmo os seus inimigos? As pessoas que convivem com você podem atestar, que de fato, você vive de modo digno do Evangelho? O seu prazer e o seu maior alvo de vida é realizar a vontade de Deus?

Maturidade espiritual não é apenas para uma minoria privilegiada, mas o propósito de Deus para todos os seus filhos. Ela é imperativa para mim e para você!



Rev. Hernandes Dias Lopes.